ITAITUBA

Alunos da Escola Técnica de Salvaterra conquistam premiação na “Mostra Brasileira de Foguetes”

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


No último sábado (12), foi divulgada a classificação das escolas que participaram da “Mostra Brasileira de Foguetes” (MOBFOG) e, pela primeira vez, alunos da Escola de Ensino Técnico do Estado do Pará (EETEPA) do município de Salvaterra, no Arquipélago do Marajó, foram premiados na competição. Ao todo, 11 estudantes vão receber certificados e medalhas nesta que é uma iniciativa que visa despertar o interesse pela astronomia, astronáutica, física e ciências afins, bem como promover a difusão de conhecimentos básicos de forma lúdica e cooperativa.

A MOBFOG é uma olimpíada de caráter experimental, promovida anualmente por escolas públicas e privadas em todo o país, com o intuito de projetar jovens à experiências e reconhecimentos pelos seus feitos científicos. A ideia é que os alunos, por intermédio dos professores e de um estudo científico detalhado, possam construir artesanalmente foguetes a partir de garrafas pets e bases de lançamentos com canos de PVC.

Em novembro deste ano, ocorreram os lançamentos dos foguetes projetados pelos alunos, mediante a reação química entre o bicarbonato de sódio e o ácido acético, dessa forma, envolvendo princípios físicos, químicos e matemáticos em todo o processo. A altura alcançada variou entre 57 a 176 metros e, foram registradas na plataforma da Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA), para que fosse computado na competição. 

Após análises realizadas pela comissão da MOBFOG, os alunos da EETEPA de Salvaterra conquistaram três medalhas de ouro, cinco medalhas de prata e três medalhas de bronze, totalizando 11 medalhas. A direção escolar reconhece que esse resultado foi graças ao trabalho diferenciado desempenhado pelo professor de física, Alan da Paz, que vem inserindo em suas aulas a experimentação como mecanismo de aproximação aluno-disciplina e aluno-professor, contribuindo assim, para o processo de internalização do conhecimento curricular. 

“O envolvimento, a curiosidade e o desbravamento deste desafio pelos meus alunos, me revigoraram diante de tantas dificuldades geradas pela pandemia, no processo de aprendizagem e rotina como um todo. O alcance nos lançamentos dos foguetes deste ano superaram as marcas das equipes que participaram no ano passado. Este ano, a maior metragem alcançada na seletiva foi 175 metros, enquanto que no ano passado, a distância máxima foi 113 metros. Este resultado só reforça o empenho, a responsabilidade e o estudo investigativo assumido por estes alunos, verdadeiros protagonistas desta ação”, enfatiza o professor Alan da Paz. 

Ainda de acordo com a direção escolar, não há dúvidas de que olimpíadas como estas, estimulam os alunos a projetarem novos experimentos e propostas de formação, além de engrandecer a figura do professor em eventos desta natureza. É importante frisar que, as experimentações ocorreram respeitando todos os protocolos sanitários de proteção contra o novo coronavírus e também de segurança escolar, fornecendo aos alunos todos os equipamentos de proteção individual (EPIs) necessários, e contar com a presença de uma equipe técnica de saúde para agir em caso de emergência. 

Vale ressaltar que, no ano passado, a escola também foi destaque pela conquista inédita do título de Campeão da Jornada de Foguetes, no estado do Rio de Janeiro. De acordo com a direção da unidade de ensino, os alunos e os professores já concentram esforços para concorrer novamente em 2021, e quem sabe, conquistar o bicampeonato.

Texto: Vinícius Leal / Ascom Seduc

Fonte: Governo PA

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS