ITAITUBA

Cai liminar contra a Prefeitura de Itaituba por desconto de parte do repasse à câmara

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Decisão provisória foi dada por desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado do Pará na manhã desta segunda (1).

O mandado de segurança nº 0800495-11.2019.8.14.0024, impetrado pela Câmara Municipal e deferido pelo Juízo de Direito da 1ª Vara Cível e Empresarial de Itaituba, há cerca de duas semanas, contra a Prefeitura Municipal de Itaituba, foi derrubado na manhã desta segunda-feira (1) por decisão monocrática da desembargadora Edilza Pastana Mutran, relatora do processo na 1ª Turma Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado do Pará.
A iniciativa do setor jurídico da Câmara, assinada pela advogada Érika Almeida Gomes, alega ato supostamente ilegal e abusivo do Prefeito Municipal de Itaituba, Valmir Clímaco de Aguiar, que teria efetuado desconto unilateral no repasse do duodécimo do Legislativo municipal.
O jurídico da Câmara alegou que pelo Ofício 041/2019- PMI/GP foi informada que o duodécimo de fevereiro/2019 seria no valor bruto de R$ 599.640,38, mas que efetuado o repasse o valor foi a menor, na ordem de R$ 579.008,10, em razão do Executivo municipal ter apontado a existência de débitos com do Legislativo Municipal e efetuado o desconto do montante de R$ 20.632,28.

Pela liminar concedida pela Justiça, em Itaituba, a Prefeitura deveria no prazo de 48 horas, suspender os descontos no repasse do duodécimo da Câmara Municipal de Itaituba, bem como depositar o valor descontado sob pena de multa diária no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais) até o limite de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), sem prejuízo das sanções nas outras esferas.
Destaca a desembargadora em seu despacho, que cairia por terra a alegação de que a retenção se deu por ato unilateral, pois foi celebrado INSTRUMENTO DE ACORDO EXTRAJUDICIAL entre o Sr. Presidente da Casa de Leis e o Prefeito Municipal, firmado em 20/02/2018.

Ademais, a Câmara Municipal, além de ciente das retenções, teria autorizado o Poder Executivo a fazer a dedução. Segundo o jurídico da prefeitura, não houve repasse a menor ao Poder Legislativo do duodécimo a que tem direito todos os meses, mas, por força de retenção pelo INSS de débito previdenciário devido e confessado pelo Poder Beneficiário, não haveria como não repassar às contas daquele órgão a retenção, sob pena de enriquecimento ilícito.
A presente decisão é provisória, mas, que se faz imprescindível, nesse momento processual para assegurar o contraditório até o pronunciamento definitivo da 1ª Turma de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado do Pará.
(Fonte: Jota Parente)

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS

error: Entre em contato conosco para solicitar o uso de nosso conteúdo