ITAITUBA

China emite alerta para nova pneumonia desconhecida mais mortal que a Covid-19

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


A embaixada da China no Cazaquistão alertou nesta quinta-feira, 9, aos cidadãos chineses que vivem no país para os riscos de uma pneumonia local, de origem desconhecida, e que tem taxa de mortalidade mais elevada se comparada a da Covid-19. 

De acordo com o comunicado, a pneumonia causou a morte 1.772 pessoas nos primeiros seis meses de 2020, sendo que 628 morreram no mês de junho. “A taxa de morte é muito maior que a do Covid-19”, diz trecho do documento. 

“Essa taxa de mortalidade da doença é muito maior que a da covid-19 e as autoridades do Cazaquistão estão conduzindo um estudo comparativo do vírus sobre o qual ainda não há definição”, afirmou a embaixada chinesa, segundo o jornal South China Morning Post.

China: segundo a embaixada, mais de 100 mil pessoas já foram contaminadas por essa nova pneumonia (cnsphoto/Reuters) Exame.
Os diplomatas chineses informaram que as autoridades do Cazaquistão já iniciaram pesquisas para entender o comportamento da síndrome, e ainda não há sinais de que ela esteja relacionada ao coronavírus.

Segundo a CNN, a capital do país, Nursultan, mais que dobrou os casos de pneumonia em relação a junho de 2020. A China afirmou que pretende trabalhar junto com o país no combate ao surto.

Em comunicado divulgado nesta sexta-feira (10), o Ministério da Saúde do Cazaquistão reconheceu a presença de “pneumonias virais de etiologia não especificada”, mas nega que o surto seja novo ou desconhecido. Não especificou-se quantos dos casos tratados como pneumonia podem na verdade ser de covid-19, nem deu-se detalhes sobre se há ou não uma nova doença em circulação no país.

“Em resposta ao relatório, o Ministério da Saúde do Cazaquistão declara oficialmente que essa informação não corresponde à realidade”, diz trecho do documento.

O governo do país asiático afirmou que vai publicar registros de infectados a partir da próxima semana para que cientistas e autoridades médicas possam acompanhar a evolução do surto. 

VEJA E EXAME

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS