ITAITUBA

Criminosos tentam aplicar golpe pelo WhatsApp

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Uma mensagem chega por meio de aplicativo de mensagens com uma oferta tentadora: a possibilidade de receber R$1,7 mil através do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Porém, a proposta esconde um golpe que pode captar dados pessoais para realização de fraudes ou mesmo para a disseminação de vírus. A mensagem que começou a circular via Whatsapp informa que quem trabalhou no período entre 1998 e 2016 pode receber, por meio da Caixa Econômica Federal (CEF), o valor de até 2 salários mínimos.

DADOS

Mas a mensagem informa que, para saber se o nome consta na lista dos que têm direito a receber o valor, a pessoa deve acessar um link – que leva até uma página falsa que simula o site da CEF – e preencher dados pessoais. É aí que pessoas mal intencionadas conseguem consolidar o golpe, captando informações sobre a vítima.

A Caixa Econômica informou, por meio de nota, que “não envia e-mails ou mensagens via WhatsApp sobre contas inativas para os clientes” e que “o banco orienta o trabalhador a encontrar informações seguras e atualizadas no site do banco (http://www.caixa.gov.br/contasinativas), em seus perfis oficiais nas redes sociais, e por meio do 0800-726-2017”.

É NECESSÁRIO FICAR ATENTO

Diretor da Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe) da Polícia Civil do Pará, o delegado Neyvaldo Silva alerta que a população fique atenta a esse tipo de oferta. Ao receber mensagens com tais encaminhamentos, a primeira coisa a se fazer é suspeitar se o banco em questão dispõe desse serviço.

O ideal é não clicar no link e entrar em contato com o banco para saber se a instituição passa informações via Whatsapp e se a oferta em questão procede. “É muito provável que estejam tentando captar você para um golpe”.

Qualquer situação que exija o preenchimento de dados pessoais via internet deve ser analisada com bastante cuidado, já que números como o do RG ou CPF podem ser utilizados para fraudes. Quando isso acontece, os danos patrimoniais podem ser muito grandes e o restabelecimento da situaçãonem sempre é fácil.

RISCO

Se uma pessoa mal intencionada tiver acesso aos dados de outra pessoa, pode solicitar cartões de crédito e até mesmo abrir empresas no nome da vítima. E esse fornecimento pode ser perigoso quando feito não apenas pela internet, mas também pessoalmente.

O delegado conta que já atendeu a um caso em que uma pessoa esqueceu o RG em uma empresa. Logo ela sentiu falta do documento e voltou à empresa para recuperá-lo.

O curto espaço de tempo que o RG ficou na empresa, porém foi suficiente para que os dados da vítima fossem utilizados para golpes. “Depois de 2 meses, ela ficou sabendo que tinham utilizado os dados dela para abrir uma conta na empresa de telefonia e para solicitar um cartão de crédito”, conta Neyvaldo. “O objetivo principal do uso desses dados é a sonegação fiscal. Quando a pessoa se dá conta, está sendo notificada pela Receita Federal”. (com Redação)

SERVIÇO

O delegado Neyvaldo Silva orienta que, caso seja vítima de golpe, a pessoa deve procurar qualquer Delegacia da Polícia Civil assim queperceber a fraude.

Será necessário registrar um Boletim de Ocorrência para que, no futuro, a vítima esteja respaldada.

Quando os dados de uma pessoa são utilizados para abertura de empresas ou solicitações de cartões, o procedimento adotado pela polícia é o de pedir o contrato social utilizado no fechamento do negócio e encaminhá-lo para o exame grafotécnico – que atestará se a assinatura do documento é realmente da pessoa dona dos dados.

(Cintia Magno/Diário do Pará)

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS