ITAITUBA

EM Itaituba Internos que não retornaram do indulto de fim de ano. Agora eles são considerados foragidos da Justiça

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


MAIS DE DEZ INTERNOS BENEFICIADOS COM A SAÍDA TEMPORÁRIA DE FIM DE ANO AINDA NÃO RETORNARAM À CADEIA PÚBLICA, E JÁ PODEM SER CONSIDERADOS FORAGIDOS DA JUSTIÇA.

A Vara de Execuções Penais permite aos internos que estão no regime semi-aberto o benefício de cinco saídas temporárias por ano, em períodos festivos e de reunião familiar, como Semana Santa, Dia das Mães, Círio de Santana, Dia dos Pais e festas de fim de ano. 
Alnecy Lopes: “estamos iniciando hoje o comunicado à Justiça

A diretora interina do Centro de Recuperação de Itaituba (CRRI), Alnecy Lopes, informou que a quantidade de presos que não retornam vem diminuindo gradativamente, o que leva a acreditar em um aumento no índice de probabilidade de ressocialização.

Somente presos do regime semi-aberto são beneficiados com a saída temporária, que, segundo critérios da lei de Execuções Penais, dá cinco dias por período, sendo que, nas festas de fim de ano, o número de dias é ampliado para dez. O preso que retorna no prazo estipulado está dentro das exigências da Lei. Para as festas de fim de ano, 43 internos foram beneficiados. Até a data limite prevista na Lei, apenas trinta e um retornaram. Quem volta com um dia de atraso, perde dois na próxima licença. 

Dois dias de atraso, retira o direito à próxima saída e a partir de três dias de atraso, o interno perde o direito ao benefício por todo o exercício anual. A partir do atraso, a direção da casa penal comunica à Justiça, que decide qual é a penalidade mais adequada a cada situação. O não retorno encaminha o interno à condição de foragido da Justiça, o que faz com que ele, ao ser recapturado, seja recambiado ao cárcere e, consequentemente, sofra regressão de regime, passando para o fechado.“Nós estamos iniciando a comunicação à Justiça. Vamos aguardar o parecer judicial, que será dado com base na Lei de Execuções Penais”, resumiu Alnecy Lopes.

Fonte: Repórter Mauro Torres

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS