ITAITUBA

Furto de objetos do interior de veículos cresce em Itaituba: como agem os criminosos?

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Furtos de objetos e pertences pessoais do interior de veículos estacionados em vias de Itaituba, vem crescendo, isso se deve, majoritariamente, pelas ações estratégicas que os criminosos vêm usando a fim de cometer o crime com mais ‘especialidade’. 

Foto: Reprodução


Como agem os criminosos?

Os bandidos se posicionam de 30 metros a 50 metros do carro estacionado em local público e ativam o bloqueador, que pode ser um controle remoto de portão eletrônico, que acaba sendo capaz de travar o veículo. Com isso, quando o dono do veículo sai de cena, os criminosos abrem a porta e furta o que estiver acessível.

O controle (que fica na chave do veículo) funciona numa frequência que se comunica com o carro e faz o bloqueio (das portas). Quando esse aparelho (controle utilizado pelos criminosos) está próximo, ele consegue emitir um sinal na mesma frequência que bloqueia a emissão do comando de trancar o veículo.

A tecnologia não funciona em todos os carros porque a frequência varia de veículo para veículo. Mas os criminosos agem por tentativa e erro e/ou possuem informações de quais modelos de veículos podem ter o sinal de travamento bloqueado.

Não existe só um bloqueador para todos os carros, mas um grande número de carros compartilha a mesma frequência.

Como se prevenir e não ser vítima?

Tendo em vista que há pouca coisa a se fazer para evitar ser vítima desses furtos, as três dicas cruciais para promover a segurança do veículo é:

 – Conferir se o carro travou mesmo;

– Ficar atento no barulho: quando o bloqueio do alarme ocorre, nenhum som é emitido.

– Fazer o fechamento do carro mecanicamente, com a chave. Desta forma, obviamente, o criminoso não conseguirá impedir que o carro seja travado.

Veja como eles agem:

Fonte: Plantão 24horas News

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS

error: Entre em contato conosco para solicitar o uso de nosso conteúdo