ITAITUBA

GERÊNCIA REGIONAL DA ADEPARÁ DE ITAITUBA SE ORGANIZA PARA A PRIMEIRA ETAPA DA CAMPANHA DE PREVENÇÃO À AFTOSA

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


ATUALMENTE O REBNHO BOVINO DE ITAITUBA PASSA DE 360 MIL CABEÇAS.
Pólo Tapajós quer alcançar maior índice possível na cobertura vacinal
A campanha de prevenção contra a febre aftosa acontece em duas etapas, nos meses de maio e novembro, com período de trinta dias para a vacinação e notificação nos próximos quinze dias. Na região do pólo Tapajós, a Adepará, Agência de Defesa Agropecuária, sempre conseguiu alcançar excelentes percentuais de cobertura vacinal, alcançando entre 97% e 99% do rebanho, que, atualmente, chega à faixa de 365 mil cabeças, só em Itaituba. Para este ano, o novo gerente regional da Adepará, Adonis Facioni, que assumiu o cargo há apenas duas semanas, já está fazendo os primeiros contatos com os fornecedores da vacina, se preparando para a primeira etapa da campanha, e espera manter os índices de cobertura.

Adonis Facioni informou que já está fazendo contato com os fornecedores de vacina (Foto: Divulgação)
Conceito – A aftosa é uma doença infecciosa que se apresenta na forma de febre intensa, com surgimento de aftas na boca e nos pés de animais de algumas famílias específicas, como ovelhas, porcos, caprinos, búfalos e bovinos. O surgimento de apenas um foco da doença é suficiente para condenar todo um rebanho, justamente pelo alto grau de prejuízo, tanto para o próprio animal, que será sacrificado, quanto para o proprietário. Em Itaituba e região, essa preocupação sempre fez parte da vida dos criadores, que procuram se organizar de modo a não perderem o período de vacinação.
Facioni lembra também que, posterior à vacinação, que começa em primeiro de maio, o criador tem quinze dias para fazer a notificação, auxiliando para o monitoramento da sanidade do rebanho da região. “Essa notificação é o ponto de fechamento das etapas da campanha. É importante o criador ter a noção de que não é apenas vacinar, mas também notificar, para que nós possamos manter o rebanho da região sempre em vigilância. 
Além disso, também estaremos contribuindo para alcançar uma meta que perseguimos há bastante tempo, chegar ao status de livre de aftosa sem vacinação, o que vai nos habilitar a exportar a carne da nossa região para qualquer região, seja no Brasil ou no mundo”, destaca Adonis Facioni.
Mauro Torres

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS

error: Entre em contato conosco para solicitar o uso de nosso conteúdo