ITAITUBA

Ibama fecha serrarias que extraíam madeira em terras indígenas no PA

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Empresário que escondeu 200 toras também foi preso durante operação.
Madeira encontrada não condizia com o Plano de Manejo Florestal.
A Operação “Onda Verde” do Ibama com apoio da Polícia Militar do Estado (PM) fechou três serrarias no município de Placas, oeste do Pará. De acordo com o órgão, duas delas recebiam madeira diretamente de Terras Indígenas (TI), na região da Rodovia Transamazônica. Durante a operação, um empresário, dono de uma das madeireiras foi preso. Ele escondeu 200 toras de madeira dentro da mata na tentativa de enganar os fiscais.
A madeira era oriunda da TI Cachoeira Seca, uma área de aproximadamente 700 mil hectares, onde vivem indígenas da etnia Arara. A TI fica localizada entre os municípios de Placas e Uruará. “Fomos até a Terra Indígena, onde fizemos o levantamento durante dia e noite e constatamos extração de muita madeira”, destacou o agente ambiental do Ibama, Gil Dobrado.
De acordo com a gerente regional do Ibama, Maria Luiza Sousa, os madeireiros preferem as árvores das TI por conta do valor. “Elas tem um valor imensurável. São árvores de extremo valor econômico e que são pontuais. Essa retirada é feita por madeireiros que se aproveitam da extensa a área”.O Ibama chegou até as serrarias após um trabalho de investigação realizado pelo departamento de inteligência do órgão. Foram verificados dados a partir do Sistema de Documentação Florestal (DOF), Sistema Florestal do Estado (Sisflor). Na área foram localizados pontos de extração seletiva.
Segundo as investigações do Ibama, a madeira chegava em Placas pela rodovia Transamazônica. As serrarias fraudavam os documentos do plano de manejo florestal. A madeira encontrada nas serrarias

Não condizia com o que estava descrito no documento.
O próximo passo da operação é chegar até as pessoas responsáveis por emitir o documento de plano de manejo florestal fraudado. Uma vez que, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) é quem autoriza o procedimento.
Operação Onda VerdeO empresário preso pode pegar pena máxima de até quatro anos. O crime é afiançável.
A operação atua em pontos estratégicos para coibir a ação dos infratores e responsáveis por crimes ambientais e o desmatamento ilegal na Amazônia, principalmente em áreas que já foram apontadas como críticas pelas ações de monitoramento. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) realiza a Operação “Onda Verde”, em parceria com a Polícia Militar do Estado (PM).

Do G1 Santarém  com informações da TV Tapajós

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS