ITAITUBA

Ibama intensifica ações contra desmatamento e extração de madeira ilegal

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Novo Progresso – A coordenadora do Ibama no município Maria Luiza, anunciou em programa de noticia na rádio comunitária local, que as ações estão sendo intensificadas no municio e região, devido o aumento considerado de desmatamento em torno do Município de Novo Progresso.
Segundo Luiza , as operações estão voltadas aos municípios com maior incidência de polígonos de áreas degradadas, identificados pelo sistema de detecção via satélite, do INPE, o Deter. Dentre aqueles que mais se destacam, a região da BR-163 em Novo Progresso apresenta o maior número de polígonos de desmatamentos identificados, principalmente, nas regiões de Castelo de Sonhos, Altamira, Cachoeira da Serra , Moraes de Almeida em Itaituba e Flona jamanxim.
Até o momento, já foi apreendido e queimado pelos fiscais ambientais um caminhão e trator. Os infratores foram presos encaminhados para Policia pra procedimentos.
Conforme anunciou a coordenadora o Município de Novo Progresso não esta mais aceitando ser fiel depositário de bens apreendidos , e por não ter estrutura para retirar os bens apreendidos a solução é queimar , para ela a lei federal 9.605 e o decreto 6.014, autoriza a destruição dos bens, neste caso o bem estando abandonado no local após autuado do crime ambiental serão queimados.
O Ibama conta com o apoio dos seguintes parceiros: Polícia Militar Ambiental, Comando de Operações Especiais (COE) da Polícia Militar, Polícia Federal, Força Nacional de Segurança e Sema. Segundo a coordenadora Maria Luiza a ação visa obedecer o calendário para o projeto “PRODES” que realiza o monitoramento por satélites do desmatamento por corte raso na Amazônia Legal e produz, desde 1988, as taxas anuais de desmatamento na região, que apontou o aumento no desmatamento na região da BR-163 , estes dados são usadas pelo governo brasileiro para o estabelecimento de políticas públicas, nos precisamos fechar até o dia 30 de junho com índice menor, comentou.
Luiza afirmou que sua equipe não vai medir esforços no combate ao desmatamento ilegal e extração ilegal de madeiras e garimpos ilegais incluindo áreas indígenas, a ação pretende diminuir consideravelmente o índice destes crimes ambientais na região em curto espaço de tempo..
Para Maria Luiza e seus parceiros nesta luta o empenho vai ser o melhor possível, e quer esforço dobrado , principalmente, porque a saúde da população é a maior prejudicada e a batalha em favor do meio ambiente não tem fim.
As ações fazem parte do Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento da Amazônia e se estenderão por período indeterminado nas regiões consideradas mais críticas.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS