ITAITUBA

Ideflor-bio realiza soltura de 35 mil tartarugas por dia no Tabuleiro do Embaubal

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Cerca de 35 mil filhotes de Tartarugas da Amazônia foram soltos no Rio Xingu. O trabalho foi realizado pela Gerência da Região Administrativa do Xingu, do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), que esteve, na última sexta-feira (11), no Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Tabuleiro do Embaubal, para realizar o manejo dos animais.

O Refúgio de Vida Silvestre Tabuleiro do Embaubal é uma Unidade de Conservação de Proteção Integral, localizada no município de Senador José Porfírio, a aproximadamente 906 km da cidade de Belém, e possui uma área de cerca 4 mil hectares, composta por 20 praias, onde ocorre a desova de três espécies de quelônios: Pitiú (Podocnemis sextuberculata), Tracajá (Podocnemis unifilis) e Tartaruga da Amazônia (Podocnemis expansa), que é a mais abrangente.

Segundo Dilson Lopes, gerente da Região Administrativa do Xingu, onde está situado o Tabuleiro do Embaubal, no mês de julho, desde 2019, a equipe técnica do Ideflor-bio monitora e fiscaliza o deslocamento das fêmeas a partir do município de Porto de Moz, assegurando o máximo possível de desovas nas praias do Tabuleiro, gerando o aumento da produtividade e a perpetuação das espécies. 

“Como resultado, nós praticamente dobramos a produção, pois saímos de 360 mil nascimentos para 580 mil, e este ano queremos ultrapassar a barreira de 600 mil espécimes. Para isso, reforçamos o monitoramento em Porto de Moz, que é um grande ponto de pressão”, afirmou Lopes.

Ainda de acordo com o gerente, a soltura é realizada diariamente por uma empresa contratada da Norte Energia, para complementar as atividades de monitoramento realizadas pelo Ideflor-bio, comunitários, pesquisadores e visitantes autorizados.

“Eles têm acompanhado diariamente o que chamamos de ‘avaliação de estoque’ dentro do Tabuleiro, verificando a rotinas de comportamento, acompanhando os nascimentos, fazendo a contagem e soltura em local seguro, com o objetivo de diminuir a predação natural”, ponderou Dilson.

A diretora de Gestão e Unidades de Conservação, Socorro Almeida, conta que o Instituto é o responsável pelo monitoramento durante esse período reprodutivo, então, no segundo semestre, foram iniciadas as sessões de fiscalização. 

“Assim, acompanhamos o deslocamento desses quelônios de vários lugares, desde parte do rio Amazonas, como o município de Afuá, na ilha do Marajó, e também de outros estados, como o Amapá, e até mesmo do Suriname. A soltura dos quelônios é feita em áreas de maior chance de sobrevivência à ação dos predadores naturais, bastando espalhar os filhotes na praia que, rapidamente, se encontram com o rio Xingu”, descreveu Socorro. “O Tabuleiro do Embaubal é uma das 26 Unidades de Conservação Estaduais, e tem uma alta significância para a manutenção da biodiversidade no Estado”.

A presidente do Ideflor-bio, Karla Bengtson, afirma que o trabalho do Instituto passa pela fiscalização, pelo acompanhamento das matrizes, ação de monitoramento, conscientização dos comunitários e a proteção da praia para a postura de ovos. Após esse processo, iniciam-se as eclosões, onde é realizada a avaliação de estoque. “A nossa missão enquanto Ideflor-bio é fazer com que, a cada ano, a produtividade dentro do Tabuleiro cresça e se desenvolva”, diz.

Fonte: Governo PA

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS