ITAITUBA

Ideflor-Bio realiza terceira soltura de ararajubas na Região Metropolitana de Belém

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Flagrante da soltura das ararajubas nesta terça-feira (15) pelo Projeto do Ideflor que preserva e reintroduz as aves ao meio ambienteMais cinco ararajubas passam a colorir os céus da capital do Estado a partir desta terça-feira (15). O Projeto de “Reintrodução e Monitoramento das Ararajubas nas Unidades de Conservação da Região Metropolitana de Belém – Belém Mais Linda!”, do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), realizou a terceira soltura das aves, concluindo a primeira etapa da iniciativa de conservação e proteção da espécie, considerada em extinção.

“Ver as Ararajubas voando saudáveis com brilho nas penas e com qualidade de vida nos traz um sentimento de esperança e reforça a importância das Unidades de Conservação do Estado, dos projetos de pesquisa, da educação ambiental e do desenvolvimento sustentável. Todo o esforço da equipe para reintroduzir as espécies ameaçadas de extinção é extraordinário”, ressalta Karla Bengtson, Presidente do Ideflor-bio.

As cinco aves, três machos e duas fêmeas, chegaram ao Parque Estadual do Utinga “Camillo Vianna” em 2019, muito debilitadas, sem penas nas asas e sem condições de voo. Elas são provenientes de apreensão por órgãos ambientais e doação de zoológico dentro do Estado do Pará. 

As belas aves que ganharam o céu da Região Metropolitana de Belém chegaram ao Parque do Utinga, em 2019, sem condições de voo O projeto de “Reintrodução e Monitoramento das Ararajubas …” iniciou em 2017 e ao longo dos anos reintroduziu 20 indivíduos que são continuamente monitorados na Região Metropolitana de Belém (RMB).

A Ararajuba é uma espécie endêmica do bioma amazônico ameaçada de extinção e considerada “vulnerável”, segundo a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, da União Internacional pela Conservação da Natureza (IUCN), do Ministério de Meio Ambiente e a Resolução Coema n° 54. 

De acordo com Crisomar Lobato, engenheiro florestal e diretor de Gestão da Biodiversidade do Ideflor-Bio, cerca de 80% da espécie natural das aves vive no Pará, o que reforça a importância do trabalho de conservação e proteção da espécie. No Estado do Maranhão e Amazonas também há registros da presença das aves. 

“Elas são lindas, raras e marcantes. Devem ser apreciadas e protegidas por todos. Já temos uma geração belenense de ararajubas reproduzidas após as primeiras solturas. Precisamos conscientizar a população que as aves não podem ser capturadas. Quem captura para vender tem culpa tanto quanto quem compra as espécies”, reforça o engenheiro Crisomar Lobato, pois que o comércio ilegal de animais é um dos principais responsáveis pela extinção das espécies. 

TREINAMENTO
Uma equipe de biólogos do Ideflor-bio foi responsável por acompanhar o dia a dia das aves que participaram do projeto, que estimula a conservação da biodiversidade. O processo de reintrodução das ararajubas começa bem antes do dia da soltura.

O biólogo da Gerência de Biodiversidade do Instituto, Rubens Aquino explica que há toda uma preparação para esse momento. Inicialmente, as aves precisaram se adaptar às questões climáticas e passaram pelo reconhecimento da nova alimentação, que inclui sementes, açaí, muruci e ajuru.

“No aviário de manutenção, realizamos suplementação alimentar, exames de rotina, treinamento contra os predadores naturais (cobras), enriquecimento ambiental e desenvolvemos o condicionamento físico para a próxima etapa”, explica o biólogo Rubens Aquino.

Profissionais do Ideflor no Projeto Reintrodução e Monitoramento das Ararajubas nas Unidades de Conservação da Região Metropolitana Em um segundo momento, as aves migram para o aviário adaptado ao treinamento de voo para desenvolver a musculatura. Segundo Nívia Pereira, gerente de Biodiversidade do Ideflor-Bio, a metodologia utilizada durante os últimos treinamentos de voo foi a de “soft release”, quando uma janela do viveiro fica aberta, para que a ave voe quando se sentir mais à vontade, e retorne se achar necessário.

“No total, sete indivíduos ainda viviam no aviário do Parque. Em uma das solturas experimentais, um casal foi liberado. E nesta terça-feira (15) os outros cinco seguiram. É o ponto alto de todo o esforço e dedicação da nossa equipe durante um ano de cuidados”, conta a gerente Nívia Pereira. 

Após a soltura, a equipe continua com o monitoramento visual dos indivíduos e acredita que eles poderão reproduzir e repovoar os céus de Belém com belos verde e amarelo. “O Ideflor-bio deixa esse legado, de conservação das espécies, sobretudo, das ameaçadas de extinção”, ressalta Rubens Aquino. A maioria das Ararajubas soltas se concentram em Ananindeua e no entorno do Parque do Utinga.

ETAPA 2
A segunda etapa do Projeto está prevista para começar no primeiro semestre de 2021, com a chegada do próximo lote de ararajubas. O processo está em fase de contratação com novas parcerias. “Uma das peculiaridades da espécie é que ao formar um grupo, geralmente, somente um casal consegue reproduzir, o que torna o processo de reprodução de indivíduos mais lento. Por isso, o trabalho de reintrodução continua”, informa a gerente de Biodiversidade, Nívia Pereira.

Fonte: Governo PA

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS