ITAITUBA

JURUTI TESTA MODELO DE EMPREENDEDORISMO COMUNITÁRIO VOLTADO PARA O TURISMO

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Um projeto experimental de empreendedorismo comunitário está sendo testado na comunidade do Miri, no município de Juruti, no oeste do Pará. As ações são voltadas a movimentar o turismo na região que possui além das belezas naturais, um projeto de manejo de quelônios. As ações de preservação e soltura dos quelônios atrai olhares de visitantes, turistas, crianças, jovens e adultos.


No empreendedorismo comunitário, as ações são desenvolvidas pela própria comunidade com o objetivo de alcançar um resultado comum e partilhado pelos comunitários. Participam grupos de pessoas, famílias e organizações que visam um objetivo comum, que é transformar o Miri em um ponto turístico.
A comunidade do Miri é conhecida na região por ter belas praias, povo acolhedor e principalmente, por fazer parte do Programa Manejo de Quelônios de Juruti (PMQJ). Há sete anos a comunidade trabalha incansavelmente na preservação dos quelônios e dos seus ovos, sempre focada no desenvolvimento sustentável.
De acordo com o Projeto Quelônios da Amazônia de Juruti, a previsão é de que nos próximos 4 anos esse modelo de gestão socioambiental seja uma alternativa de sucesso, a partir da captação de turistas de todo o brasil para conhecer as belezas amazônicas.
Ações
Na sexta-feira (29) houve a soltura de 4.100 quelônios e a programação contou apresentação de poesia, paródia, dança e o concurso da Garota Quelônios. Aproximadamente 60 pessoas que foram fazer a soltura contribuíram comprando o kit com blusa, boné e café da manhã.
Toda renda arrecadada foi revertida ao Programa Quelônios, que ajuda a movimentar a economia local.
Programa de Manejo
Em 2013, foi sancionada a Lei Municipal 1066, que criou o Programa Manejo de Quelônios, coordenado pela SEMMA. No Lago das Piranhas, uma programação especial reuniu visitantes e moradores da região. O pesquisador do Ministério da Ciência e Tecnologia, Fábio Cunha, que também é o responsável pelo Departamento de Área Protegida da SEMMA, falou que esse trabalho pretende sensibilizar a população e a comunidade em geral para a preservação dos quelônios.
Esta foi a segunda soltura do ano. A primeira aconteceu no dia 25 de fevereiro, no Lago Tucunaré, região do Curumucuri, quando foram soltos 786 quelônios. Essa soltura tem um significado muito grande para a biodiversidade, ecoturismo e para a preservação e manutenção das espécies.
                                                                                                               (INFORMAÇÕES DO PORTAL LIGAÇÃO VIA G1)

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS