ITAITUBA

Militares do 53º BIS participam da ‘Operação Sumaúma’ em municípios paraenses

Militares do 53 bis. Foto 53 bis

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Desde o dia 28 de junho, o Comando Conjunto Norte (CCjN), formado pelo Comando Militar do Norte, 4º Distrito Naval e Comando Aéreo Norte, informa que, por determinação Federal, emprega tropas das Forças Armadas para ações de Garantia da Lei e da Ordem. A Operação Samaúma ocorre em terras indígenas, em unidades federais de conservação ambiental, em áreas de propriedade ou sob posse da União e, mediante requerimento do Governador, em outras áreas do Pará.

O emprego das Forças Armadas nos municípios do Pará tem como objetivo realizar ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais, em especial o desmatamento ilegal. Todas as atividades ocorrerão em ambiente interagências, ou seja, em conjunto com órgãos e agências de proteção ambiental e de segurança pública.

Um importante aliado para identificação e otimização dos trabalhos de combate a crimes durante a vigência da Operação Samaúma é o Sistemas de Aeronave Remotamente Pilotada (ARP). O instrumento, operado por militares da Força Aérea Brasileira, possui tecnologia de identificação termal que disponibiliza imagens de satélite para melhor identificação e diagnóstico dos locais com possíveis problemas ambientais.

No dia 9 de julho, o CCjN recebeu, no Quartel-General Integrado em Belém, representantes das instituições de proteção ambiental e de segurança pública para a apresentação das ações a serem desenvolvidas na Operação Samaúma pelo Comando Conjunto Norte.

Participaram Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros Militar, Defesa Civil, Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia, Fundação Nacional do Índio, Polícia Militar Ambiental do Pará e Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia.

Conforme o decreto número 10.730, de 28 de junho de 2021, a atuação dos militares do CCjN ocorre nos municípios de Altamira, Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso, São Félix do Xingu e Trairão e seguem até o dia 31 de agosto de 2021.

O nome da Operação homenageia a árvore conhecida como rainha da Amazônia, que guarda e distribui água para outras espécies e também pode ser chamada de mafumeira, sumaúma e kapok.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS