ITAITUBA

Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles visita Itaituba para acompanhar Força Tarefa

Ricardo Salles cendendo entrevista coletiva á imprensa. Foto: Jack Chan.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles está visitando o estado do Pará, onde irá acompanhar as operações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), além da Força Nacional. O Ministro chegou, no início da tarde desta terça-feira, a cidade de Itaituba, oeste do Pará, acompanhado de um grande aparato militar.

Ricardo Salles informou, pelo seu Twitter, sobre a sua vinda à região sudoeste do estado, que, segundo ele, veio acompanhar pessoalmente a fiscalização e combate ao desmatamento no Pará. Acompanhado pelo presidente do Ibama Eduardo Bin e do ICMBio Fernando Lorencini, o ministro concedeu uma coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (12), na sede do ICMBIO do município.

Os gabinetes do Ministro do Meio Ambiente, dos presidentes do IBAMA e ICMBio, foram transferidos para região sudoeste do estado do Pará, nos municípios de Altamira, Uruará, Placas, Rurópolis e Itaituba, que receberão fiscalização entre os dias 11 e 15 de maio. Durante a entrevista, o ministro falou sobre as ações desenvolvidas na região para combater a ilegalidade no desmatamento e também sobre a queima de equipamentos utilizados pelos madeireiros.

“Agimos dentro da lei, a lei diz que se não houver possibilidade de retirar os equipamentos da área fiscalizada, eles devem ser destruídos”. Questionado sobre a reutilização dos equipamentos, o ministro disse que aqueles que forem apreendidos serão usados para outros fins. “Aqui no pátio de Itaituba, temos vários equipamentos que não precisaram ser destruídos e que serão usados de forma legal a partir de agora”. Ressaltou Ricardo.

O ministro reforçou que essa força tarefa será mantida em caráter temporário e as equipes da Força Nacional, Ibama e ICMbio ficarão na região em torno de quatro meses.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS