ITAITUBA

MPF, OAB e famílias das vítimas pedem que resgate do barco afundado em Óbidos (PA) seja antecipado

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Previsão de empresas envolvidas no acidente era de fazer a reflutuação em outubro ou novembro. O Ministério Público Federal (MPF), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e familiares dos desaparecidos no naufrágio ocorrido no último dia 2 em Óbidos, no oeste do Pará, cobraram a antecipação dos trabalhos de reflutuação do barco rebocador afundado.

A cobrança foi feita à empresa proprietária do rebocador, a Transportes Bertolini, em reunião realizada na última quarta-feira (22/08) em Santarém da qual também participaram representantes de outros órgãos que estão atuando no caso, como o Corpo de Bombeiros Militar do estado.
A previsão da Bertolini e da empresa seguradora era a de que a reflutuação só pudesse ocorrer entre o final de outubro e início de novembro, quando a vazão do rio Amazonas tende a diminuir.
No entanto, as famílias, o MPF e o Corpo de Bombeiros alertaram sobre o risco de que o resgate possa ficar inviável caso venha a ser tentado só daqui a dois meses, tendo em vista que até lá a embarcação poderá estar soterrada no fundo do rio.
Representantes das famílias dos nove desaparecidos indicaram à Bertolini uma empresa em Manaus (AM) que provavelmente tem a infraestrutura necessária para realizar os trabalhos ainda em setembro.

“As famílias estão em uma situação de bastante angústia, e precisam ter a certeza de que todas as providências possíveis estão sendo tomadas”, ressalta o procurador da República Camões Boaventura, representante do MPF na reunião.

Novo plano – Uma nova reunião entre os órgãos públicos, as famílias e as empresas envolvidas no caso foi marcada para a próxima segunda-feira (28/08) às 9 horas, na sede da OAB em Santarém.
Nessa reunião a Bertolini deverá apresentar um diagnóstico sobre as condições de correnteza e profundidade do local onde o rebocador se encontra, e a empresa amazonense de salvatagem deverá apresentar um plano de resgate da embarcação.

Se o plano for considerado viável pelas instituições participantes da reunião, as informações sobre o planejamento serão encaminhadas para avaliação final da Capitania dos Portos, da Marinha.

Atuação conjunta – O MPF atua no caso em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) para investigar eventuais crimes ou omissões que possam ter contribuído para o naufrágio.


Fonte : Ministério Público Federal no Pará
Assessoria de Comunicação

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS