ITAITUBA

‘Nego Maitano’ morre em acidente com árvore em comunidade garimpeira, em Itaituba

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


O garimpeiro veterano Maitano Henrique Santos, de 89 anos de idade, morreu na tarde do último domingo, vítima de um gravíssimo acidente na zona garimpeira de Itaituba, precisamente na comunidade de Comandante Jari, região do Água Branca.

O garimpeiro veterano Maitano Henrique Santos, de 89 anos 

Segundo um filho da vítima, Murilo Henrique, Maitano estava assistindo a um jogo de futebol pela televisão no interior de um barraco, enquanto era realizado um trabalho de supressão vegetal nos arredores da estrutura. Em dado momento, uma árvore de médio porte foi derrubada e acabou tomando uma direção diferente do que havia sido previsto pelo operador da máquina retro-escavadeira. A árvore atingiu o barraco em cheio. Maitano Henrique foi atingido por galhos da árvore, sofrendo várias fraturas pelo corpo, além de comprometimento de órgãos internos. Desacordado, o velho garimpeiro ainda foi socorrido por amigos, mas não resistiu e evoluiu a óbito.

O corpo de Maitano Henrique Santos foi conduzido para Moraes de Almeida, onde foi recebido pelo filho Murilo e encaminhado para Itaituba, onde chegou ao fim da tarde de segunda-feira (20), um dia após o acidente fatal. O velório está acontecendo na sede da Associação dos Mineradores de Ouro do Tapajós (AMOT), onde “Nego Maitano”, como era mais conhecido, recebe as últimas homenagens dos amigos. O sepultamento acontecerá às 16h de hoje, terça-feira (21), no cemitério de São Francisco, no Km 06.

“Nego Maitano” era natural de São Luis, no Maranhão, e chegou ao garimpo no final da década de 1950, sendo considerado um dos poucos pioneiros do garimpo ainda vivos. Ao longo de mais de sessenta anos de atividade garimpeira, Maitano fez muitos amigos, entre mineradores, empresários, pilotos e demais pessoas ligadas ao garimpo.

“Em nome da nossa família, eu agradeço a todos os amigos que nos acompanham nesse momento de dor. Nosso pai morreu deixando um legado, uma história de vida e trabalho que muita gente conhece. Independente de ser filho do ‘Nego Maitano’, eu considero essa uma perda irreparável. Vá com Deus, meu pai”, pontifica Murilo Henrique.
Portal Mauro Torres

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS

error: Entre em contato conosco para solicitar o uso de nosso conteúdo