ITAITUBA

No Pará, diminui o número de pessoas que apresentaram algum sintoma relacionado à Covid-19, diz IBGE

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Com o objetivo de monitorar os efeitos do Coronavírus na saúde e no mercado de trabalho, a PNAD COVID 19, adaptação da Pesquisa Nacional de Domicílios, apresentou, em seu segundo mês de realização, novos dados sobre o aparecimento de sintomas, a renda das famílias, o afastamento social, entre outros indicadores. Os resultados são referentes ao mês de junho. 
Indicadores de Trabalho 
Em junho, do total de pessoas ocupadas, 23,% estavam afastadas do trabalho, enquanto 76,2% continuavam em atividade; destas, 4% (ou 95 mil)  realizavam o trabalho de forma remota, o que foi a menor taxa de trabalho remoto registrada no Brasil.  O número de pessoas ocupadas e afastadas do trabalho diminuiu significativamente. Em maio, o número que marcava aproximadamente 1 milhão de pessoas afastadas, caiu para 700 mil em junho. A maioria (591 mil) disse estar afastada devido ao distanciamento social; em maio era de 852 mil o número de pessoas afastadas pelo distanciamento. Neste último mês, entre as afastadas, 47% continuaram recebendo remuneração e 53% deixaram de receber.

Nota-se que entre as pessoas que não foram afastadas dos seus trabalhos, a maioria trabalhou menos horas do que habitualmente trabalharia. Enquanto 3% declararam, no mês de junho, ter trabalhado mais horas do que normalmente, outras 25% declararam ter trabalhado menos.
Durante os meses de realização da pesquisa, o número de ocupados no estado se manteve estável: 2,9 milhões e 3 milhões, respectivamente nos meses de maio e junho. O número de pessoas desocupadas também não apresentou variação significativa: em maio chegava a 362 mil e em junho atingiu 385 mil.
Os dados também apontaram que entre as 1,3 milhão de pessoas não ocupadas que não procuraram trabalho, mas gostariam de trabalhar, 911 mil não procuraram por conta da pandemia ou por falta de trabalho na localidade.
Já em relação ao rendimento das pessoas, durante os dois meses monitorados pela pesquisa em média 38% dos entrevistados teve redução na remuneração. Em maio mais de 1 milhão (1 milhão 122 mil) declarou ter recebido valor inferior ao que era recebido antes da pandemia, um mês depois o resultado se manteve constante (1 milhão 130 mil).
A taxa de informalidade no Pará continua alta durante a pandemia, atingindo 53% em junho. Estima-se que 1,6 milhão de pessoas estão trabalhando informalmente, no mês de maio o número era de 1,5 milhão. No Brasil, a região Norte é a que possui a maior taxa de informalidade (49%).
O percentual de domicílios que receberam auxílio emergencial para complementar a renda sofreu uma pequena variação: em maio marcava 58% e em junho passou a marcar 63%, ocupando a posição de terceiro estado mais beneficiado da região Norte. Durante os dois meses analisados, mais da metade dos lares entrevistados recebia o auxílio. É possível notar também que o recebimento do auxílio foi percebido principalmente por pessoas com menor grau de instrução. 
Maior parte (643 mil) dos que receberam tem o nível de instrução até o fundamental completo, com o médio completo foram 499 mil recebedores e com o superior completo 79 mil. A região Norte foi a mais beneficiada pelo auxílio emergencial, que favoreceu 60% da população. 
Na região o ganho na renda domiciliar per capita era de R$ 707,35 e com o recebimento do auxílio passou para R$ 874,28.
Indicadores de Saúde

No mês de junho o número de pessoas que apresentou algum sintoma relacionado à Covid 19 diminuiu expressivamente. Enquanto em maio o número era de aproximadamente 1,8 milhão de pessoas, em junho foi de 777 mil pessoas. A região Norte apresentou a maior queda no número de pessoas com sintomas: em maio equivalia a 18,3% da população e em junho passou a equivaler a 8,9%.
No Pará a procura por estabelecimento de saúde continuou baixa entre os que apresentaram algum sintoma: aproximadamente 74% decidiram não procurar atendimento médico. Aquelas que tiveram sintomas conjugados (considerados mais de um sintoma ao mesmo tempo), procuraram estabelecimentos médicos com mais frequência (40% procuraram) do que as que apresentaram apenas um sintoma (26% procuraram).
Percebe-se, também, que a maioria dos moradores do Pará não tinha plano de saúde médico no mês pesquisado. Apenas 14% disseram ter plano, do outro lado, 86% não tinham.
Entre os domicílios pesquisados, 25,3% tinham algum idoso. Em 20% dos lares com idosos, algum morador havia apresentado sintoma gripal. Já nos lares sem idosos, o percentual de pessoas que apresentaram algum sintoma foi de 79%.
Com informações da Agência IBGE

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS

error: Entre em contato conosco para solicitar o uso de nosso conteúdo