ITAITUBA

Pará tem maior índice de desemprego da região Norte

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Acaba de ser divulgado um estudo do Ministério do Trabalho que mostra uma triste realidade para o povo paraense. Segundo o relatório do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Pará é líder em taxas de desemprego da região Norte. No 1º semestre deste ano, cerca de 120 mil pessoas foram demitidas no Estado, acima dos 114,1 mil contratados.


E os dois municípios que mais sofrem com o desemprego, em todo o Norte, também ficam aqui: Altamira e Canaã dos Carajás. No primeiro semestre deste ano, Altamira demitiu 6,2 mil trabalhadores e contratou apenas 2,8 mil. Isso representa um saldo negativo de 3,4 mil postos de trabalho, uma queda de 16,2% no número do emprego formal nos 6 primeiros meses de 2017, em comparação a 2016.

E a situação vem piorando. Só em junho, o município demitiu quase 1,1 mil pessoas. Já Canaã dos Carajás dispensou 5,5 mil trabalhadores no primeiro semestre e contratou apenas 1,5 mil pessoas, fechando o período com menos 4 mil postos de trabalho.
A situação tem se repetido. Nos últimos 12 meses, Altamira demitiu 15 mil pessoas e ficou com saldo negativo de 8,5 mil postos de trabalho (queda de 32,8% no emprego). O mesmo ocorreu em Canaã dos Carajás, que, também em 12 meses, fechou 14,2 mil vagas e admitiu apenas 3,7 mil pessoas.
PLANEJAMENTO
A situação se repete em diferentes municípios do Pará e fez com que o Estado fechasse 6 mil postos de trabalho na análise semestral. Em 12 meses, o saldo de empregos no Pará é negativo em quase 21,8 mil vagas. Os resultados revelam a “falta de políticas públicas do Governo do Estado voltadas para a geração de emprego e renda”, observa o professor Assis Costa Oliveira, da Universidade Federal do Pará (UFPA) e especialista em Cidadania e Justiça Social. No caso de Altamira, o fim das obras da usina hidrelétrica de Belo Monte é apontado como principal responsável pela alta taxa de desemprego. Porém, para o professor da UFPA, faltou planejamento do Estado, que não soube atrair investimentos para o município em momentos de expansão econômica. “Desde o início, já se sabia que as obras tinham data para terminar”, diz Oliveira.
VIOLÊNCIA
Altamira lidera outra triste estatística. O município é o 1º no ranking das cidades mais violentas do Brasil, segundo o Atlas da Violência, do Instituto de Pesquisa Aplicada (Ipea). Assis Oliveira critica a falta de integração entre as áreas de Segurança Pública, Assistência Social e Educação e aponta essa ausência de ação do Governo como causa para o alto índice de criminalidade no Estado, com 45 homicídios para cada 100 mil habitantes.
(Lívia Ferrari e Erica Ribeiro)
Foto: Cristino Martins/Agência Pará

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS

error: Entre em contato conosco para solicitar o uso de nosso conteúdo