ITAITUBA

Peritos paralisam trabalho no Pará inteiro

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


Os peritos oficiais da Polícia Civil do Pará estão com atividades paralisadas. O ato, que teve início às 19h desta segunda-feira (18), em frente ao Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, tem como objetivo chamar a atenção do governo para o descaso com a categoria.

A paralisação, inicialmente, será de 24h, com 100% dos profissionais. Érico Nery, perito criminal que está no comando de greve, alerta para as reivindicações que são cobradas.

“Nossa reivindicação é pelo tratamento igualitário no que diz respeito gratificações. Também pedimos ajustes do valor do risco de vida e incorporação do abono salarial ao salário base. Precisamos de melhorias de condições de trabalho. Estamos sobrecarregados para atender todo o estado. Somos 350 peritos e médicos legistas para um estado com sete milhões de habitantes, em estado de dimensão continental. Precisamos ter pelo menos 1400 peritos. Temos falta de equipamento em Belém e outras sedes do interior’, disse em entrevista ao DOL.

A categoria está abrindo exceção no Instituto Renato Chaves apenas para crimes de ordem sexual. Remoção de cadáveres, por exemplos, estão suspensas ao longo da greve.

Érico conta ainda que o governo é procurado para uma resposta há bastante tempo, mas que nunca demonstrou interesse em resolver as mazelas de trabalho dos peritos.

“Já tem cinco anos que procuramos o governo, mas não temos nenhuma resposta. Nenhuma proposta para nada”, reforçou.

A reportagem do Diário Online entrou em contato o Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, que informou as perícias e remoções de corpo estão sendo executadas de forma normal até então, e informou ainda que a direção geral do CPC não irá se pronunciar sobre a paralisação por enquanto.

(DOL)

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS