ITAITUBA

Pesquisador diz que peixe de cativeiro não causa doença da “urina preta”

Foto: Reprodução/Metrópoles.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Cientista da Embrapa afirma que consumo de pescados de tanques é segura!

O pesquisador da Embrapa Amazônia Ocidental, Roger Crescêncio, gravou um vídeo informando que não há registros na história mundial de que peixes em cativeiro (piscicultura) tenha causado a rabdomiólise ou doença da “urina preta”.
Em três minutos, o pesquisador apresenta um histórico da doença em todo o mundo e reafirma: “é seguro consumir peixes produzidos em cativeiro” para que não haja a redução nutricional dos amazonenses.

Veja o vídeo na íntegra:

Segundo informações do site Metrópoles, os estudos científicos publicados até o momento sobre a doença no Brasil relatam que os casos aconteceram após a ingestão de tambaqui, olho de boi, badejo, pacu-manteiga, pirapitinga e arabaiana.

O peixe contaminado, mesmo cozido, pode desencadear a síndrome, e não apresenta gosto diferente do habitual. Nem todo peixe das espécies citadas é responsável pela infecção, que é considerada rara.

Ainda não está claro exatamente por que os peixes podem ser tóxicos: as duas principais teorias dizem respeito ao consumo de alguns tipos de algas por eles ou à má conservação do alimento antes da ingestão humana.

Os sintomas aparecem nas primeiras 24h após o consumo e, por isso, se acredita que a doença seja causada por toxinas. O principal sinal é o escurecimento da urina, que pode chegar a ficar da cor de café. Outros sintomas da condição são dor e rigidez muscular, dormência, perda de força e falta de ar.

Fonte: Portal Único e Metrópole.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS