ITAITUBA

Polícia Civil contabiliza 20 prisões de pessoas que tentaram fraudar o concurso público da PM

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin



Bem sucedido. Assim foi definido pela Secretaria de Administração do Estado (Sead) o processo de aplicação das provas do concurso público para a Polícia Militar do Pará, realizado neste domingo (31) em Belém e mais três municípios – Marabá, Altamira e Santarém. Ao todo, 105 mil candidatos disputaram uma das 2.194 vagas disponíveis para os cursos de Formação de Praça (CFP), Formação de Oficiais (CFO) e Adaptação de Oficiais (Cado). Ao longo do dia, 20 pessoas, entre elas um soldado da PM de Marabá, foram detidas para depoimentos em 15 ocorrências, a maioria pela utilização de documentos falsos e por falsa identidade (tentando fazer a prova em lugar de outra).
Em Belém, um candidato tentou usar um ponto eletrônico, outros desobedeceram a ordem de não usar aparelhos de celular em sala de aula. O esquema de segurança preventivo e integrado, montado pela Sead em parceria com a banca organizadora, a Fundação de Amparo e Desenvolvimento de Pesquisa (Fadesp), e o sistema de segurança pública do Estado, por meio das polícias Civil e Militar, garantiu que o exame transcorresse normalmente e sem tumultos. 
A candidata Marília Lemos, 23 anos, concorreu a uma vaga no Curso de Formação de Oficiais. Graduanda em Sistema de Informação, ela considerou positivas as medidas tomadas pela organização do concurso para evitar fraudes. “É uma política correta, pois é uma segurança para nós mesmos, candidatos”, opinou. 
TENTATIVAS DE FRAUDE Quanto ao suposto vazamento de gabarito e do cartão-resposta na internet, a Polícia Civil tranquiliza os participantes do certame que não passaram de tentativas frustradas de fraude. “Em alguns casos, o gabarito dava cinco opções de assertivas, quando na prova só havia quatro. Ou então disponibilizavam 60 questões, sendo que a prova era composta de apenas 50. Sem contar que sequer mencionavam o tipo de prova. A intenção era puramente lucrar em cima do candidato”, explicou o delegado-geral da PC, Rilmar Firmino, durante coletiva à imprensa na noite deste domingo, em Belém. 
Também estiveram presentes à entrevista a secretária de Administração do Estado, Alice Viana, o advogado da Fadesp, Danillo Araújo, e o comandante geral da Polícia Militar do Pará, coronel Roberto Campos. Formada em radiologia, Ana Carolina Pinto Gomes, 28 anos, é uma das pessoas que entrou na disputa por um cargo de oficial. Há três meses estudando para o concurso, ela vê na Polícia Militar uma chance para mudar de vida. “Já fiz uns e outros concursos, mas para a polícia é a primeira vez que estou tentando”, contou.
NÚMEROS Dos 105.066 inscritos, 15.139 faltaram à prova. Isso corresponde a quase 14,5% do quantitativo. Pela manhã, durante as provas para os cursos de Formação de Praças e de Adaptação de Oficiais, o índice de candidatos faltosos chegou a 14%, ou seja, de 90.500 inscritos 12.311 não compareceram ao exame. Já pela tarde, período em que foram aplicadas as provas para o Curso de Formação de Oficiais, de um total de 14.653 inscritos, 2.828 faltaram (pouco mais de 19%). A cidade que registrou maior índice de absenteísmo foi Belém e a que teve menor índice foi Altamira.
A análise da relação de candidatos por vaga mostrou que os cargos com as maiores concorrências nos três editais foram os de oficial feminino (286,94 candidatas/vaga), praça feminino (113,76 candidatas/vaga) e oficial com especialidade em Fisioterapia (250 candidatos/vaga). Com 88.063 inscritos, o Curso de Formação de Praças teve a maior concorrência. Foram duas mil vagas oferecidas, das quais 200 para mulheres e 1,8 mil para homens. Já o Curso de Formação de Oficiais teve 14.653 candidatos inscritos para as 160 vagas ofertadas, gerando uma demanda de 286,94 candidatos/vaga entre as mulheres e 69,63 entre os homens. 
O curso de Adaptação de Oficiais teve 2.350 inscritos para 34 vagas oferecidas pela corporação. Pela demanda, depois de Fisioterapia, os cargos mais concorridos foram os de cirurgião dentista, clínico geral e farmacêutico. “O resultado é bastante positivo, dada a dimensão do concurso. É o maior já realizado pelo governo do Estado. Diante da situação econômica do país, que vem perdendo muitos postos de trabalho, o número de pessoas inscritas foi bem maior do que o esperado. É um concurso naturalmente complexo pelas muitas fases que exige e pelo nível de qualificação da seleção”, avaliou a titular da Sead, Alice Viana.
Para o comandante-geral da PM, roronel Roberto Campos, a corporação só tem a agradecer a todos os envolvidos na organização pelo resultado do concurso. “Mostramos que as fraudes não seriam aceitas. Foi um concurso complexo, que demandou a atuação de mais de dez mil fiscais. Os números mostram a credibilidade do processo e de todos os envolvidos nele”, ratificou.
RESULTADOS De acordo com Danillo Araújo, da Fadesp, nesta segunda-feira (1º), a partir do meio-dia, tanto a prova como o gabarito estarão disponíveis no site da instituição. Já nos dias 02, 03 e 04 de agosto, os inscritos poderão efetuar seus recursos. O resultado final do certame está previsto para março de 2017. 
Por Bianca Teixeira (AGÊNCIA PARÁ/ GOVERNO DO ESTADO).

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS

error: Entre em contato conosco para solicitar o uso de nosso conteúdo