ITAITUBA

Polícia prende acusado de se passar por oficial de justiça em Itaituba, no Pará

Material encontrado na residência onde Ediney estava. Foto: Reprodução.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Policiais militares que atuam em Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas (ROCAM) realizaram, na noite da última segunda-feira (10), por volta das 19h30, a prisão de um homem, identificado como Ediney Ramos da Silva, acusado de estar se passando por Oficial de Justiça no município de Itaituba, sudoeste do Pará.

A prisão só foi possível após denúncias e grande repercussão do fato nas mídias sociais. De acordo com o Delegado Rafael Oliveira, pessoas vinham, desde o último final de semana, comparecendo à delegacia e informando que um “oficial de justiça” estaria abordando várias pessoas nas ruas. Nas abordagens, ele procedia com intimações, verificava placas de motocicletas e alegava a possibilidade de terem sido clonadas, o que poderia culminar com a apreensão dos veículos.

A partir daí, a polícia realizou diligência e, na 14ª Rua do bairro São Tomé, conseguiu avistar a caminhonete que, segundo divulgações nas redes sociais, estava sendo utilizado na prática de golpes na sede do município. De imediato, a guarnição realizou abordagem no veículo e identificou o acusado como Ediney. No momento, foi ordenado que o ele colocasse as mãos sobre a cabeça, porém a ordem não foi obedecida.

Por conta disso, foi preciso utilizar técnicas de mãos livres para a contenção dele e, posteriormente, o uso de algemas. Após isso, foram feitas buscas no veículo e na casa. Desse modo, foram apreendidas: munições intactas, notebook, placas de carros, camisa com o brasão do TJPA, dinheiro e celulares. Todo o material e Ediney foram conduzidos à 19ª Seccional de Polícia Civil.

Ediney Ramos da Silva. Foto: Reprodução/Redes sociais.

Na delegacia, de acordo com o Delegado Rafael Oliveira, Ediney alegou que já trabalhou no Fórum como conciliador voluntário (estagiário), uma vez que ele afirma ser estudante de Direito. Porém, não comprovou documentalmente a situação. Isso, conforme Rafael, ainda será analisado com o quadro de funcionários do órgão.

Contudo, mesmo que haja comprovação, o delegado pontua que a atitude tomada por Ediney não é justificativa, visto que a função de Oficial de Justiça deve ser exercida por pessoas que passaram em concurso público e foram investidas no cargo. Portanto, ele foi autuado em flagrante por diversos delitos e passará por audiência de custódia.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS