ITAITUBA

Processo de informatização da Santa Casa do Pará caminha para os 100%

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


A Fundação Santa Casa implementou em novembro de 2020, um software que vai permitir em curto prazo a tramitação de documentos, como circular interna, memorandos, ofícios etc, via sistema, o que garante maior segurança e agilidade no atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). O novo software encerra o longo e antigo período de burocracia e de lentidão na tramitação de processos e de integração incompleta das informações na instituição. 

Além de ajudar na sustentabilidade do planeta, com a redução do uso de papel, a implantação desse novo sistema dá maior celeridade na tramitação dos processos. Gilberto Ramos da Gerência de Tecnologia da Informação (GTIN), da Santa Casa, diz que a implementação da informatização no hospital será concluída com a última remessa de computadores, que deve ser entregue neste mês de dezembro, totalizando 200 máquinas para atender todo o hospital. Ele reforça a parceria da Fundação Santa Casa com o Sistema de Gestão Hospitalar MV.

O sistema MV é um sistema de gestão hospitalar que inclui planejamento estratégico, prontuário eletrônico, acompanhamento da cadeia de suprimentos e outros sistemas necessários em áreas específicas como os processos administrativos. 

“Mesmo durante a pandemia a atual gestão conseguiu fazer um investimento que há anos vínhamos tentando. Como o hospital teve que se expandir para atender a demanda da Covid-19, foi necessário fazer toda uma estruturação e hoje estamos com 80% do hospital informatizado”, garante Gilberto Ramos. “A área administrativa já está toda informatizada, na área assistencial está faltando o ambulatório adulto, parte do Centro Obstétrico e centro cirúrgico”, acrescentou ele.

A previsão da Santa Casa é de que já no primeiro semestre de 2021 se conclua o processo de informatização. “Aí podemos tentar uma certificação de hospital digital, certificação muito conceituada na área de saúde em todo o país”, disse Gilberto Ramos.

Para a técnica de enfermagem, Joana Fernandes, que trabalha há mais de dez anos no ambulatório de cirurgia da Santa Casa, o Sistema MV melhorou bastante, agora ficou mais fácil o médico ver o prontuário do paciente, via sistema. “Antes era muito dificultoso a gente ir atrás do prontuário, demorava muito e isso aumentava o tempo de espera do paciente”, disse ela.

“Aqui foi um dos primeiros setores a implantar o sistema MV. No início, como era novidade, alguns colegas tiveram um pouco de dificuldade para utilizar o sistema, mas agora não conseguem mais trabalhar sem ele. Isso facilitou tanto para o paciente como para o médico, pois o sistema permite ao médico ter acesso ao prontuário do paciente assim como aos exames”, enfatizou a técnica de enfermagem, Joana Fernandes.

Para o presidente da Fundação Santa Casa, Bruno Carmona, a instituição vem se preparando para esse momento. “No entanto, o grande desafio nesta fase final é fazer a integração de todos esses sistemas para que possamos visualizar o hospital como um todo. O mais importante disso é que tendo as informações dos pacientes, processos de aquisição, compras, controle de estoque dentro do sistema a informação torna-se cada vez mais transparente ao público em geral e torna a gestão da Santa Casa mais eficiente”.

“Independente de quem esteja na gestão, as informações do hospital vão estar disponíveis para todos dando seguimento ao trabalho implementado, e isso é fundamental para que os nossos usuários sejam atendidos de forma célere, ágil e que o hospital ordene suas despesas e faça o controle de todo o seu estoque, dos seus medicamentos, dos seus processos de forma eficaz”, ressaltou o presidente, Bruno Carmona. 

Fonte: Governo PA

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS