ITAITUBA

Professores do IFPA de Itaituba realizam projeto sócio-ambiental para recompor área degradada

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DO PARÁ DESENVOLVEM MAIS UMA ETAPA DE UM PROJETO SÓCIO-AMBIENTAL QUE TEM O OBJETIVO DE RECOMPOR UMA ÁREA AGREDIDA NO BAIRRO MARIA MAGDALENA. O PROJETO CONTA COM O APOIO DO SENAR, DA COMUNIDADE E ALUNOS DA INSTITUIÇÃO.

O grupo de alunos do Instituto Federal de Educação , Ciência e Tecnologia (IFPA), de Itaituba, veio participar hoje de uma atividade diferente. Desta vez, é fora da sala de aula. O ambiente é uma encosta localizada no bairro Maria Magdalena, uma área agredida severamente pela falta de conscientização. 

Toneladas de lixo foram depositadas neste local, e a natureza acabou sentindo os impactos. A área deveria ser de proteção permanente, já que abriga uma nascente, que vai desaguar no rio Piracanã. Mas ninguém atentou para esse detalhe, até que o morador Ivanildo Moraes, o “Delegado”, que também integra a diretoria do IFPA, se juntou ao professor Júlio Nascimento e sua equipe e ficou decidido que a área seria incluída em um projeto de educação sócio-ambiental, que vai muito além da sala de aula.

Pelo menos noventa alunos do IFPA participam do projeto, que tem por objetivo recompor a área que foi agredida durante muito tempo. Na comunidade, que fica na periferia de Itaituba, a idéia é aumentar o nível de consciência sócio-ambiental. O projeto é desenvolvido com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).


O grupo é formado por futuros tecnólogos em saneamento e edificações. São alunos do ensino médio integrado e superior, que encontraram, nessa atividade, uma autêntica aula prática. Muitos deles ainda não tiveram esse mesmo contato, e acabaram tomando gosto pelas ações de construir contenções, limpar a área para descobrir as nascentes e plantar árvores. A aluna Alda Patrícia segue as orientações dos professores e planta uma muda de açaí. A aluna já veio preparada, inclusive sabendo da importância deste gesto.


Para que não haja rejeição e as mudas consigam se adaptar com facilidade, foram trazidas essências florestais nativas da Amazônia, como açaí, mogno e andiroba. Todas foram produzidas pelos próprios alunos, que foram preparados pelo Senar, em uma outra etapa do projeto. A jovem Irivane Almeida, aluna do curso de edificações, diz que já plantou árvores em outras ocasiões. Mas aqui, independente de poder ganhar alguns pontos na disciplina, ela faz por prazer, e a jovem diz que vê muita nobreza nesta ação.


Durante a atividade, os professores vão orientando e, ao mesmo tempo, ajudando. Eles também se preocupam com os resultados do projeto, que foi iniciado em outubro e integra uma série de ações. Nesta atividade, a previsão é que logo a nascente volte a contribuir com o rio Piracanã, e que a natureza reaja, com uma mãozinha do homem.


Fonte:  http://maurotorrestap.blogspot.com.br/

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS