ITAITUBA

Setembro Amarelo: veja como ajudar pessoas próximas da forma correta

Setembro Amarelo. Foto: Reprodução

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Um assunto para lá de delicado, tem ganhado cada vez mais espaço nas conversas informais e nos debates públicos. Hoje em dia, falar sobre suicídio não é tanto um tabu. O que por um lado é bom, também traz consigo alguns problemas.

Informações falsas, conselhos errôneos e insensibilidade ao assunto são algumas das consequências que podem ocorrer se o tema for tratado descuidadamente. Por outro lado, não tratar do assunto, silenciá-lo ou limitá-lo ao mês de setembro também não é a solução. O ideal é conversar corretamente e abordá-lo de forma séria, concisa e empática.

Essa necessidade fica ainda mais evidente quando, um ano após a pandemia, o número de casos de pessoas com problemas psicológicos aumentou exponencialmente. Por isso, se você tem algum amigo ou familiar que enfrenta algum problema e manifesta sinais de tendência suicida, preparamos com todo cuidado uma lista do que você pode fazer para ajudar corretamente essa pessoa.

Identificar os sinais e comportamentos suicidas é o primeiro passo para ajudar qualquer pessoa. Você não deve esperar que seu amigo ou familiar venha até você repentinamente e diga “sabe, estou pensando em tirar minha vida”. Isso não vai acontecer, portanto esteja atento aos seguintes sinais:

É impossível para o ser humano, vez ou outra, não transparecer ou verbalizar aquilo que está dentro de si e que ocupa sua mente. Não é difícil identificar o que uma pessoa está sentindo ou pelo que está passando. Em algum momento ela deixará escapar algo, como “estou cansado dessa vida”, “só quero que tudo acabe logo”, “essa vida já não vale mais nada”, –  esses são alguns dos avisos discretos que você deve se atentar.

É importante estar contextualizado, para não interpretar mal o que foi dito, mas, acima de tudo, é importante nunca ignorar o caráter dessas falas e considerar com maior atenção a pessoa que afirma coisas semelhantes a essas.

Consumo de drogas e excesso de bebidas alcoólicas

O consumo de drogas e o excesso de bebidas alcoólicas constituem um outro sinal importante que uma pessoa pode estar com pensamento suicida. Pode ser que ela não fale, mas atente-se para esse comportamento e questione a si mesmo: por que ela está fazendo isso a si mesma?

A pessoa que se comporta dessa forma indica já não estar mais preocupada com a própria vida, nem com o próprio bem-estar. Também é possível que ela use desses meios como rota de fuga para os pensamentos que estão atormentando-a.

Alteração dos hábitos alimentares e do sono

Comer em excesso ou não comer, dormir demais ou não dormir nada durante a noite são sinais de que algo não vai bem. Pode ser um problema físico ou psicológico, o que constitui mais um sinal de alerta.

Uso excessivo de redes sociais

O mundo está cada vez mais conectado às redes sociais. No entanto, há pessoas que parecem gastar a maior parte do seu dia no celular ou navegando na internet. Isso não é um bom sinal. Há estudos que associam o uso excessivo de redes sociais à depressão. De certa forma, as redes sociais se tornam um subterfúgio ou uma fuga da realidade. Fique atento, isso pode ser outro indicativo.

Aumento da procura por sexo e pornografia

Condutas consideradas promíscuas podem estar associadas a tendências suicidas, é o que afirmam especialistas. Procurar por vários parceiros sexuais e se relacionar com eles de maneira desprotegida, é caracterizado como comportamento nocivo e indica falta de interesse pela própria vida. O uso da pornografia como escape da realidade é outro fator que pode apontar para a presença de tendências suicidas.

Melhora repentina

Talvez, um dos sinais mais claros de que alguém está disposto a se suicidar é a  melhora repentina. Fique atento se uma pessoa em que já foi identificada uma tendência suicida ou algum problema psíquico apresentar uma melhora inesperada. Ela pode parecer estar melhor quando, na realidade, apenas aceitou em sua própria mente a ideia de tirar a própria vida.

Ajude de forma correta e assertiva

Para começar a ajudar alguém próximo, é importante que você entenda sua importância na vida dessa pessoa. Talvez você não seja um psicólogo ou uma pessoa dotada de grande expertise na prevenção ao suicídio, no entanto você pode ser a pessoa mais próxima ou a que demonstra maior interesse em ajudar e isso já é de grande valia.

Conquiste a confiança

Conquistar a confiança é um processo que, mais do que definitivamente, não ocorrerá de uma hora para outra. Você precisará ocupar um espaço especial na vida dessa pessoa e deixar claro, mediante suas ações, que seu interesse não é apenas ajudá-la, mas que você quer estar com ela.

Demonstrar que você pode conversar sobre qualquer assunto, procurar pontos de afinidade, ou ainda se interessar sinceramente por coisas que essa pessoa se interessa, vai ajudar a conquistar confiança e gerar uma abertura para uma conversa clara.

Converse francamente

Segundo estudos da OMS, Organização Mundial da Saúde, cerca de 90% dos casos de suicídio em todo mundo poderiam ser resolvidos com algo simples, o diálogo. Conquistada a confiança da pessoa que você está ajudando, não hesite em ser direto com a pergunta: “você já pensou ou pensa em suicídio?”. Não soará invasivo se você já demonstrou cuidado e preocupação por essa pessoa.

Ouça mais

É importante falar, mas certamente a maior forma de demonstrar interesse por alguém é ouvi-la. Preste atenção no que essa pessoa lhe diz, sua história e suas angústias, tudo isso será um facilitador para ajudá-la de forma assertiva.

Esteja presente

Não limite seus esforços para ajudar alguém apenas com palavras. Procure conviver com essa pessoa, fortalecer a amizade e torná-la mais intensa ou aprofundar o laço familiar.

Assista filmes

Filmes são uma ótima forma de distração e vão ajudar a manter a mente distantes de pensamentos ruins. Além disso, esse entretenimento é sempre carregado de ensinamentos, portanto saiba escolher um bom filme e que produzirá reflexões.

Teatro

Assim como os filmes, o teatro é outra poderosa ferramenta para transmitir alguma mensagem positiva. Um ponto de destaque no teatro é a sua capacidade de levar alguns dos seus espectadores às boas lembranças de suas infâncias. Então, escolha uma boa peça e, se for visitar algum teatro na pandemia, procure manter o distanciamento social e obedecer às regras de segurança do local.

Parques

O ar livre e o contato com a natureza, principalmente para quem vive em centros urbanos, é maravilhoso. Leve seu amigo ou familiar para um parque legal e próximo a vocês, faça um piquenique e convide-o a observar a beleza fulgente que está ao redor.

Sair para comer

Charles Haddon Spurgeon, talvez no auge de sua depressão, disse: “às vezes, quando estamos tristes, não precisamos de conselhos ou palestras, mas de chocolates e rosas”. Procure levar a pessoa querida para um almoço ou jantar. Uma boa comida sempre será proveitosa.

Acompanhe-a nas consultas médicas

Uma outra forma de se fazer presente é acompanhar essa pessoa em suas consultas médicas ao psicólogo ou psiquiatra. Incentivá-la a ir e estar presente com ela fará, certamente, com que ela perceba a importância da vida dela em sua vida.

Fonte: Plantão 24horas News

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS