ITAITUBA

Violência nas escolas preocupa pais e autoridades da educação

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin


A violência dentro das escolas do Pará e as agressões envolvendo estudantes têm preocupado os pais de alunos e especialistas da área de educação. 
“No momento em que a educação for prioridade, quando os professores forem valorizados, ou seja, quando existir uma realidade atrativa, esse perfil irá mudar”, diz a especialista em educação, Jane Melo.
Os pais dos estudantes estão apreensivos e afirmam que o problema é consequência da precariedade das escolas, que não ofereceriam suporte estrutural e nem apoio psicológico aos discentes.
“Se eu pudesse transferir a minha filha para outra escola, com certeza eu faria isso”, desabafa Carla Valéria, mãe de um aluno.
A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) rebate as críticas e diz que desenvolve ações de prevenção à violência com gestores e professores para conscientizar os alunos sobre a importância de se estudar em paz. Já o programa “Pro Paz nas Escolas”, projeto do Governo do Estado, afirma que atua na prevenção da violência, mas só consegue estar presente em 25 colégios do Pará. O estado conta com mais de mil unidades de ensino na rede estadual.
A Companhia Independente de Policiamento Escolar (CIPOE) afirma que são realizadas rondas nas unidades escolares, principalmente na entrada e saída dos alunos para coibir a violência. Ainda segundo o CIPOE, a Companhia participa de projetos da Seduc com o objetivo de evitar esse tipo de situação envolvendo estudantes.
Flagrantes
Na escola Maria Helena Valente Tavares, em Ananindeua, na região metropolitana de Belém, um vídeo feito por um cinegrafista amador flagrou duas alunas se atacando e puxando os cabelos uma da outra. As garotas eram cercadas por um grupo de estudantes que incentivava a briga.
Um outro vídeo também revelou cenas de agressão entre duas alunas da Escola Estadual  Professor Nagib Coelho, em Ananindeua. As imagens mostram as estudantes brigando e, em certo momento, uma bate a cabeça da outra no chão de forma muito violenta. A briga só acaba quando uma pessoa se aproxima e separa as adolescentes.
Fonte: G1-Pará

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

RELACIONADAS