ITAITUBA

PF, Funai, Ibama e Força Nacional fazem operação de combate a garimpo ilegal e desmatamento, no Pará

Imagem de fiscalização do Ibama na terra indígena Ituna-Itatá em 21 de janeiro de 2020 mostra sinais de desmatamento ilegal. — Foto: Divulgação/Ibama

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin

Uma operação de combate ao garimpo ilegal e ao desmatamento é realizada nesta terça-feira (7) pela Polícia Federal, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Fundação Nacional do Índio (Funai) e Força Nacional na Terra Indígena Ituna Itatá, TI mais desmatada de 2019, segundo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Aeronaves, embarcações, viaturas além de 40 policiais foram mobilizados para ir até a terra Ituna Itatá, que fica nas cidades de Altamira e Senador José Porfírio, no sudoeste do Pará.

A operação denominada Donos da Terra cumpre seis mandados de busca e apreensão e integra a Operação Guardiões do Bioma.

Os policiais estiveram em ao menos três garimpos ilegais e apreenderam uma máquina, que foi inutilizada com fogo no local pelo Ibama e PF. Até as 15h, não foi detalhado o total de itens apreendidos.

Desmatamento na TI Ituna Itatá

Entre 2018 e 2019, a TI Ituna Itatá teve 119,92 km² desmatados, sendo a mais desmatada do país naquele período, segundo o Inpe.

De acordo com a Polícia Federal, em nota, “boa parte do desmatamento é resultado da extração de ouro, feita com máquinas pesadas como balsas, dragas, pás carregadeiras e escavadeiras hidráulicas, equipamentos que deixam rastro de destruição”.

Em janeiro deste ano, o Ministério Público Federal (MPF) pediu à Justiça Federal que a Funai renovasse uma portaria de restrição de uso que protege a Terra Indígena Ituna Itatá.

Fonte: Plantão 24horas News

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin

RELACIONADAS